terça-feira, 6 de setembro de 2011

O BALNEÁRIO ESTÁ MESMO EM CONFLITO ...



Domingo escrevi:


"Correio Manhoso - ontem, esta corja estoriava, com chamada à primeira página, que o balneário do nosso clube, por causa de não terem sido vendidos 48 jogadores, está um caco. Uma lástima. Ninguém se entende. Ufa ! Nem imaginam como fiquei contente com a estória. Pensei logo, pobre Leiria ... "


Hoje digo:


Eu avisei ...

3 comentários:

dragao vila pouca disse...

Enquanto os dois amiguinhos de Lisboa, Vieira e Godinho, conspiram pelos hotéis - terá sido numa sala privada, no restaurante ou em algum quarto? - e Duque estava lá como pau de cabeleira ou a segurar a vela, como queiram, o F.C.Porto, agente provocador desta amizade conspirativa súbita - porque não se fundem? -, fez pela vida, fiel ao seu princípio, os jogos ganham-se no campo.
Depois de uns 25 minutos atrapalhados, muito por culpa de um Leiria atrevido, pressionante e bom a trocar a bola, mas também da má organização colectiva do Campeão, lento a recuperar, espartilhado no meio-campo e pouco intenso na pressão, já para não falar da permissividade de Hulk, que raramente impediu as subidas do lateral da equipa leiriense, o F.C.Porto melhorou, principalmente depois do 1º golo, por James, que aproveitou bem um contra-ataque conduzido por J.Moutinho, rápido a levar a bola e a soltá-la no momento certo, dando numa bandeja ao jovem colombiano a possibilidade de inaugurar o marcador.

A partir daí e até ao intervalo, só deu Porto, com Kléber a marcar o 2º golo, primeiro em jogos oficiais com a camisola do F.C.Porto, com mais uma assistência de excelência, agora de Belluschi. Depois do 2 a 0 os azuis e brancos passaram a dominar e até podiam ter aumentado a vantagem, o que seria injusto para o Leiria que, pelo que fez, em particular até metade da primeira-parte, não merecia maior penalização.

Na segunda-parte, a toada foi semelhante e apesar de sofrermos um golo, não por dominio do Leiria, mas num ressalto e nestas circunstâncias, com a diferença mínima, quem marca cresce, quem sofre abana, nunca estivemos em verdadeiro perigo de sofrermos o empate. Com o apagão e depois com o terceiro golo, novamente por James, o jogo ficou decidido apesar do conjunto de Pedro Caixinha nunca ter baixado os braços. Mais tarde Kléber faria o 4 a 1, o União ainda reduziria, para já nos descontos, Varela ter colocado o resultado final em 5 a 2, resultado justo, talvez exagerado, mas que coloca novamente o F.C.Porto na liderança do campeonato, isolado, é bom que se diga.

Conclusão:
Depois de um mercado como não há memória e de compromissos com as selecções que impediram o normal trabalho da equipa, obrigando a ter na convocatória dois jogadores, Hulk e Mangala que jogaram ontem pelas suas selecções, um facto que se não é inédito, eu não me lembro de nada igual, ainda não estamos bem, ainda cometemos erros que não podem acontecer, mas só podemos melhorar. Ultrapassar esta fase, ganhando, é importante, ajuda a equipa a ganhar confiança e a crescer. Uma certeza tenho: temos muita qualidade no plantel - hoje não puderam estar por compromissos com as selecções, Sapunaru, Otamendi e Guarín -, gente que estará à espreita de uma oportunidade - já se viu um cheirinho de Defour, na assistência para Varela marcar - e que vai obrigar os titulares a nunca se distraírem. Com dois golos, Kléber pode ter ganho a confiança que lhe faltava e no futuro ser aquele jogador que muito promete.
Regressou Fernando, regressou bem e sem má cara, o mesmo para Alvaro. Não vai ser por aí que eles nos vão distrair.

Uma palavra para Hulk: é com esse espírito e com essa disponibilidade que se fabricam os Campeões. Espero que a lesão não seja grave.

Notas finais:
Lamentável o estado relvado. Dois jogos fora, Guimarães e Marinha Grande, dois péssimos relvados. Porquê? Será estratégia para prejudicar o jogo de bola no pé e esbater a superioridade do F.C.Porto?

Parabéns aos milhares de adeptos portistas que foram até à capital do vidro. A uma terça-feira e à noite, fazer tantos quilómetros para acompanhar o F.C.Porto, merece ser registado.

E como os últimos são os primeiros, o último é esse jovem e talentoso colombiano, de apenas 20 anos, James Rodríguez, o melhor em campo, para mim, claro.

Abraço

Dragaopentacampeao disse...

A ausência de alguns internacionais não impediu que os Campeões nacionais escalonassem um onze forte, competente e eficaz. O plantel dispõe de óptimas soluções. Álvaro Pereira reapareceu a titular, tal como Fernando, Belluschi e James Rodríguez. E até Hulk, que jogara no dia anterior pelo Brasil, foi também titular.

O treinador do União de Leiria, apresentou um esquema de futebol no campo todo, com especial atrevimento ofensivo, como eu gostava aliás, que todas as equipas assumissem.

Resultado, uma goleada. Nem foi necessário ao FC Porto apresentar um futebol de grande gabarito. Limitou-se a marcar um ritmo intermitente, ora acelerando espalhando o pânico ou marcando golos, ora acalmando o jogo permitindo-se a devaneios que lhe haviam de custar dois golos muito consentidos.

James Rodríguez foi a estrela mais cintilante da constelação azul e branca onde brilhou também Belluschi. O colombiano mostrou-se muito inspirado e com pontaria afinada. Jogou, fez jogar, marcou e assistiu para golo. Já o argentino emprestou criatividade, foi importante na pressão alta, conseguindo ganhar dessa forma o lance que haveria de resultar no primeiro golo de Kléber. E por falar em golos, todos eles foram conseguidos de bola corrida, quiçá para calar determinadas vozes que empolavam o facto de o FC Porto só ter marcado, até hoje, de bola parada! CINCO num só jogo, isto talvez vos remeta para um determinado jogo da época passada.

Referência muito especial para a disponibilidade de Hulk, que apesar de desgastado mostrou-se sempre dinâmico, empreendedor e perigoso. Saiu logo a seguir ao «apagão» de que o Estádio Municipal da Marinha Grande foi acometido, queixando-se de um toque no joelho. Destaque também para os dois golos de Kléber, importantes sobretudo para a moralização e aumento da confiança de que o atleta vinha necessitando.

Um abraço

O Situacionista disse...

De cada vez que jogamos fora, o treinador adversário é despedido depois do jogo. Primeiro, o Manuel Machado, agora, o Caixinha.

Prevejo muita chicotada ...