terça-feira, 30 de setembro de 2008

Sujar o nome

É a exibição que nos ENVERGONHA. Não é o resultado.

Tenho de recuar vinte anos para me lembrar de uma coisa assim. Depois disso, já perdemos por diferenças grandes, mas com dignidade.

Palavra de Mágico

Bom... de facto não há fome que não dê em fartura.
.
No entanto, e embora tenham um fundo comum, acho que este post e o que foi publicado pelo meu amigo Azzulli completam-se, pelo que cá vai disto.

Sobre o jogo contra o Arsenal diz o nosso eterno “mágico” que o Porto tem boas hipóteses de vencer a partida e assegura que vai torcer pelo nosso triunfo.

O FC Porto tem muitas possibilidades de vencer, mas dependerá sempre da forma como vai encarar o jogo”, afirma Deco e explica o seu raciocínio: “ Se a equipa conseguir não ficar afectada pelo ambiente do estádio, as coisas serão equilibradas e a partir daí o FC Porto poderá vencer o jogo”.

Deco apesar destas advertências afirma convictamente que está tranquilo quanto ao estado de espírito dos Dragões.
Claro… este sabe o que a casa gasta.

Quanto ao Arsenal, diz o “mágico” que “é imprevisível, muito por culpa dos muitos jogadores jovens que a constituem. A Arsenal é capaz de fazer um grande jogo e, logo a seguir, realizar uma exibição não tão boa”.
.
Esta do “não tão boa” é que me preocupa.
Será que hoje podem fazer uma exibição má?
Antecipadamente grato.

Quanto às suas ambições pessoais, o nosso Dequinho afirma ainda: “Espero voltar a ser campeão europeu. O que não gostaria mesmo era encontrar o FC Porto na final da Champions. Emocionalmente, esse seria um momento complicado”.

Como te compreendo...
.
.
Um abraço a todos e um forte POOOOORTOOOOO!!!

E porque não vencer?

Lá vamos nós ao país onde a vida nos corre sempre mal…
10 Jogos, 9 Derrotas. 1 Empate. 0 Vitórias.
Raios!

O Arsenal tem um fantástico plantel, o que não é novidade num clube de topo de Inglaterra.
Adebayor, Fabregas, Walcott, van Persie, Eboue, Nasri...
A pressão ofensiva deles é sufocante.
Bolas!

Nós não estamos em grande forma.
E temos consciência disso.
Raios!

Mas… o Arsenal perdeu em casa este fim de semana.
E diz AW: “What we delivered today was not good enough and we know that.”, “We were not at the level we should have been. I believe that's more down to the mental side than anything technical.”…
O homem não está satisfeito…
E diz mais “I believe that we have more a size problem than quality in our defending problem. Our centre backs are not very tall. I don't know what we can do. It's not only centre backs who defend. As a team we are a bit short
São baixos?!?
Bem, pelo menos não estão muito confiantes.

E os adeptos que dizem?
Gallas is not what’s needed as captain”, “why isn’t Toure trying to organise the team?”, “we have got the most stubborn manager in Europe” (esta nós andamos a disputar com eles... :-) ), “we lost as a team”, “I won’t be surprised if we were defeated by FC Porto.”
Bem… eles andam bem mais entretidos que nós!...

Assim sendo, nada a perder.
Vamos jogar seguros e para vencer!
Há que aproveitar a desconfiança que o Arsenal mostra.
Se eles estão preocupados com a altura da sua defesa central e meio campo, nós temos trunfos para os preocupar.

Para mim, é um 442, com Lisandro e Hulk juntos no ataque.
Professor, que se lixe o 433. Vamos meter gente junto dos centrais deles!
Lucho no vértice adiantado do meio campo.
E três elementos lutadores no restante meio campo: Fernando, Meireles e Tomy.
Na defesa, faltando Fucile, seja Sapu, Rol, BA e Benitez.
Até já me passou pela cabeça coloca o grande PE a lateral, dada a fraca qualidade do que temos. Seria boa ideia?...
Rodriguez no banco? Sim, claro. Temos de pensar qual a táctica e quais os melhores para a colocarem em prática.

E vamos lá ter uma bela noite de terça-feira!


PS:
Atenção à Fantasy League da UEFA. As alterações fazem-se até às 17h15
Para aderir à Liga dos Bicampeões do Mundo: 38733-8153

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Confusão no aeroporto – imagens E-X-C-L-U-S-I-V-A-S !

Já todos saberão que hoje houve uma escaramuça entre um adepto vermelho e a comitiva portista no aeroporto, depois de o primeiro chamar traidor ao Rodriguez.

O adepto alega que foi barbaramente agredido e o Clube diz que não se passou absolutamente nada, além de um simples desentendimento.

Mas parece que, para além do adepto vermelho e sua mãe, ninguém viu a cena para poder comprovar a tese do adepto vermelho.

Só que,
Meus caros, EU VI !
Ah pois é.
Estava no aeroporto e FILMEI TUDO.
Foi a pouca vergonha total.
E com a violência eu NÃO PACTUO !
Mesmo que em prejuízo do FC Porto.
E o que se passou no aeroporto foi uma agressão BRUTAL !
Há que tomar medidas.
Há que prender aqueles terroristas !
JÁ !

As imagens são exclusivas do Bicampeões do Mundo. E falam por si só:

Podem ver tudo aqui !

domingo, 28 de setembro de 2008

A vencer desde (28 de Setembro de) 1893


115 anos de glória, de vitórias e de alegrias.
Vividas e sentidas por todos portistas, mas também por todos os portugueses que sabem apreciar e reconhecer um clube que eleva e engrandece ao mais alto nível o nome do nosso País.
.
Da minha parte, um muito obrigado por todas as lágrimas de alegria que me fizeste verter, por todos os São “Joões” antecipados que me proporcionastes e por todas as horas que (por tua culpa) passei à espera dos heróis das mais diversas vitórias.
.
Com a certeza de que continuarás no futuro a me fazer passar por idênticos momentos de “sofrimento”.
.
E se falam mal de nós quando ganhamos, pois que continuem já que tal será um sinal de que continuamos a ganhar. Contra tudo e contra todos.

Como seria de esperar, o NGP presidiu às cerimónias de comemoração desta data, as quais tiveram o seu início com o hastear da bandeira na Praça do Estádio do Dragão.

"O mastro da bandeira parece que está mais alto, como as conquistas do clube", gracejou o NGP, assegurando ainda que tem “esperança e certeza de que continuará a crescer”.

Também o presidente da Mesa da Assembleia Geral, Sardoeira Pinto, destacou na sua intervenção que foram “115 anos de glórias de um clube que dedicou a sua vida toda à cidade, ao país e ao Desporto”. Referindo ainda que “valeu a pena amar o FC Porto e fazer dele o maior clube de Portugal e é aqui que sentimos a força que nos impele a continuar a vencer”.

Um grande abraço a todos aqueles que (como eu) amam este clube e um ainda mais forte POOOOORTOOOOO!!!

sábado, 27 de setembro de 2008

Com a cabeça na Champions...

4ª jornada da Liga 2008/09
Estádio do Dragão, no Porto
Árbitro: Hugo Miguel (Lisboa)

FC PORTO: Helton; Sapunaru (Candeias aos 56m), Rolando, Bruno Alves «cap» e Lino; Tomás Costa, Fernando e Raul Meireles; Lisandro (Hulk aos 70m), Farías (Guarin aos 56m) e Rodriguez;
Treinador: Jesualdo Ferreira;

PAÇOS DE FERREIRA: Cássio; Ricardo, Ozeia, Tiago Valente e Josa; Filipe Anunciação, Pedrinha «cap» (William aos 74m) e Paulo Sousa (Chico Silva aos 74m); Cristiano, Leandro Tatu e Filipe Gonçalves (Rui Miguel aos 46m);
Treinador: Paulo Sérgio Brito;

Resultado final: 2-0;
Marcadores: Raul Meireles (aos 14m) e Hulk (aos 72m);
.
Ufa… respiraram de alívio os adeptos quando Hulk marcou o 2º golo.
E não era para menos, já que, depois de uma 1ª parte em que conseguimos impor a nossa natural superioridade, a equipa desconjuntou-se fazendo cerca de 25 minutos muito fracos, o que permitiu algum atrevimento do P. Ferreira (auxiliado por uma arbitragem "manhosa") e o voltar do nervosismo à equipa e às bancadas do Dragão.
Felizmente para nós que este Paços apareceu bem mais ”macio” do que seria espectável.

Sem Lucho houve Meireles para dar e vender.
Fernando fez também uma grande exibição. Está cada vez mais confiante.

Com uma equipa titular escolhida a pensar no jogo da Champions, seria natural uma maior dificuldade na fluidez da circulação da bola e nas transições para o ataque, no entanto esperava-se muito mais de alguns jogadores que foram chamados.

Guarin e Farias, ambos com presença praticamente ausente, desperdiçaram (mais uma vez) uma oportunidade magnífica para provarem a JF que pode contar com eles como opções válidas ao onze habitualmente titular.
O Farias de ontem faz-me, inclusive, questionar o porquê da dispensa de Postiga.
.
Bom… mas o mais importante foi conseguido.
Estes 3 pontos já ninguém nos tira e agora venha o Arsenal. Jogo no qual espero, acima de tudo, uma exibição à... DRAGÃO!!!

Os golos:


As palavras dos nossos intervenientes:
Jesualdo Ferreira
"A equipa hoje entrou muito bem, no sentido oposto do que fez no último jogo. Depois do golo, soubemos controlar. Não cometemos erros, não jogamos um futebol bonito, mas fomos pragmáticos. O Paços joga muito bem e apareceu hoje com muitos jogadores no meio-campo. Isso criou problemas. Na segunda parte, com algumas dificuldades de alguns jogadores, também para gerir o esforço pensando nos compromissos futebol, o F.C. Porto mudou o jogo e a partir daí o domínio foi nosso. Não foi um jogo bonito, mas não era isso que pretendíamos. O mais importante para nós era a vitória, e isso foi conseguido, sem qualquer dúvida. Este jogo já passou, fica o resultado positivo, que nos aproxima de novo dos lugares cimeiros. Transmite mais confiança, sem termos feito um jogo de grande qualidade. Fomos mais realistas."
Sobre a ausência de Lucho: "Os processos da equipa têm a ver com o que o Lucho faz, como acontece com outros jogadores. Hoje, sentiu-se mais porque o lugar foi ocupado pelo Tomás Costa. Mas é notável o que este miúdo corre durante os 90 minutos, ocupar tantos espaços como ocupou. Não estava o Lucho, mas ganhámos sem o Lucho, o que era importante. Cada jogador percebe que para estar nesta equipa, tem de trabalhar e crescer, como os que estão cá há três anos. O crescimento de outros jogadores, hoje, também se deveu à ausência de Lucho."

Um abraço a todos e um forte POOOOORTOOOOO!!!

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

A-M-B-I-Ç-Ã-O

Podia vir aqui desancar nas arbitragens que nos roubam semana após semana (desde os tempos do antigo regime) e que arrasam com os adversários dos vermelhos e dos verdes. Este fim de semana, então, foi uma escandaleira monumental.
Mas não … (até porque o Penta, de uma forma brilhante, já se encarregou disso.)

Podia vir aqui tentar saber o que pensam da utilização do 4x3x3 versus 4x4x2. E, neste último, com que modelo. E com que jogadores.
Mas não…

Podia vir aqui, uma vez que o MST anteontem, no meio de uma série de disparates, veio reduzir o Mariano a cinzas, desenvolver esta minha opinião: actualmente (pelo menos, enquanto o Tarik não recuperar e para não corrermos o risco de “queimar” o fantástico Candeias), se o sistema se mantiver no 4x3x3, o Mariano deve ser titular. Aliás, em Vila do Conde, jogou (tão pouco) como os outros.
Mas não… (podem começar a criticar…. allo Azzulli...)


Podia vir aqui alertar para um aspecto que me tem preocupado – é impressão minha ou os nossos adversários têm “via verde” para dar cacete no grande Rodriguez ?
Mas não…

Podia vir insistir no facto de os verdes, este ano, por mil e uma razões, estarem muito fortes (ao ponto de eu ir torcer para que percam no próximo fim de semana contra os … galácticos).
Mas não…

Podia vir aqui aludir a esta inenarrável realidade – o diabo vermelho, pela coça que deu no auxiliar, vai possivelmente pagar uma multa superior à que os vermelhos foram anedoticamente condenados a pagar. Estes filmes só mesmo com realizadores do gabarito do justiceiro Ricardo Costa.
Mas não …

Podia vir aqui agradecer aos deuses o abençoado “reencaminhamento” do Daniel para outras paragens (finalmente !!) ao “som” das mais hilariantes lágrimas emocionadas vindas do fundo das almas vertidas pelos seus convivas, depois do “irmão mais novo” do Carraspana ter conseguido mais um histórico feito – igualar o “jogo” das faltas para vermelho (2-2) no Paços-vermelhos, tirando do … baú …. 2 faltas assassinas dos jogadores do Paços… (aqui fui eu que não consegui conter as lágrimas … )
Mas não …

De facto, só cá vim para salientar que temos o plantel mais equilibrado dos últimos anos. O que nos permite um leque de opções muito superior. O que me dá grande confiança. Aliás, este ano, temos plantel, quando estiver bem entrosado, para ganhar a qualquer equipa do mundo. Basta a nossa equipa jogar com algo que lhe (especialmente ao treinador) tem faltado – AMBIÇÃO I-L-I-M-I-T-A-D-A.

GANHAR GANHAR GANHAR GANHAR GANHAR GANHAR GANHAR GANHAR GANHAR GANHAR GANHAR GANHAR GANHAR GANHAR GANHAR GANHAR GANHAR GANHAR GANHAR GANHAR GANHAR GANHAR …..


Afinal de contas já não ganhamos um campeonato... desde Maio passado !

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

"Nortada" de Miguel Sousa Tavares



Nortada' do Miguel Sousa Tavares...
Depois da vitória sobre o Fenerbahçe, quarta-feira passada, Jesualdo Ferreira queixou-se dos assobios escutados no Dragão, explicando aos sócios do FC Porto que havia que ser mais compreensivo com uma equipa «em construção», que entrou em jogo com cinco estreantes em competições europeias.
Realmente, faz alguma confusão escutar os assobios quando se está a ganhar por 2-1 um jogo tão importante e quando já se tinha regalado o público com uns vinte minutos iniciais de fino futebol. O que aconteceu então, para os assobios?Aconteceu, primeiro, que o público do Dragão se tornou, com o passar dos anos e das vitórias, no mais exigente público de futebol em Portugal.
Ali, não nos basta ganhar, porque ganhar, felizmente, é coisa a que estamos bem habituados. Queremos também ver empenho nos jogadores, coragem nos treinadores e futebol que compense a ida ao estádio. É essa uma das características que, hoje em dia, mais nos distingue dos rivais lisboetas e, embora tal possa ser por vezes difícil de aceitar para a equipa, não deixa de ser motivo de orgulho para os portistas: no Dragão, não nos rebaixamos a contestar a arbitragem logo aos três minutos de jogo, como ainda recentemente sucedeu no Benfica-Porto; não queremos ver a equipe ganhar de qualquer maneira, mesmo jogando mal; não desprezamos os adversários e sabemos que, quando não se corre e não se joga bem, não adianta estar a culpar a arbitragem ou o sistema pelos desaires.
Tomemos o exemplo de anteontem em Vila do Conde: se o árbitro tivesse marcado, como devia, aquele penalty a dez minutos do fim, teríamos ganho o jogo. Mas não foi por isso que não ganhámos, foi porque a equipa e o treinador só acordaram para a necessidade de ganhar quando já era tarde.A segunda razão para os assobios no jogo contra o Fenerbahçe é conjuntural.
Jesualdo diz que a equipa está em construção, mas o que se viu, passados os brilhantes vinte minutos iniciais, culminados com aquele golo displicentemente desperdiçado por Lisandro López, foi antes uma equipa em desconstrução. Circunstancialmente, os assobios irromperam, e de impaciência, à vigésima vez que o Mariano González estragou uma jogada, mas, no fundo, no fundo, os assobios eram… para Jesualdo Ferreira, ele próprio. Ainda não digerimos mais uma derrota com o Sporting, onde Jesualdo acumulou erros visíveis a olho nu; ainda não digerimos uma vitória tão fácil desperdiçada na Luz; e, contra o Fenerbahçe, o que o público sentiu foi que outra vitória perfeitamente ao alcance tinha passado a correr o risco de se esfumar — como esteve quase a acontecer quando o Helton, para não variar, deixou que a bola sobrevoasse duas vezes a sua zona de intervenção obrigatória, na primeira vez falhando a intercepção e sendo salvo pelo Rolando, e, na segunda vez, ficando pregado à baliza a ver o Guinze falhar o cabeceamento a dois metros da linha de golo.
A desconstrução desta equipa que no ano passado ganhou o campeonato em atitude de passeio, começou, é verdade, na SAD: a saída do Paulo Assunção destroçou a solidez do meio-campo; as saídas do Bosingwa e de Quaresma desfizeram um flanco inteiro e, no caso do saudoso nº 7, tal como eu previ, reduziu a capacidade ofensiva da equipa a menos de metade.
Mas Jesualdo também ajudou, e muito, os problemas actuais:— continuou convencido de que Helton dá garantias suficientes de tranquilidade e segurança e o que sucede é exactamente o contrário - é ele o grande destabilizador dos centrais e o factor primeiro de insegurança defensiva;— adepto, e bem, do 4x3x3, viu sair o Quaresma e, mesmo assim, despachou uma série de extremos que muito jeito lhe poderiam dar: o Vieirinha, o Alan, o Pittbull, o Hélder Barbosa;— coleccionou, nos últimos dois anos, uma quantidade infindável de trincos, nenhum dos quais oferece um mínimo de garantias, o que faz com que, de facto, só haja um trinco capaz e adaptado, que é o Raul Meireles;— só que o Raul Meireles faz falta como médio de ataque porque, além dele, Jesualdo só tem o Lucho - de quem depende, neste momento, toda a capacidade ofensiva da equipa.
Entretanto, deitou fora o Leandro Lima, o Luis Aguiar, o Ibson, o Diogo Valente. A solução poderia passar pelo recuo do Cristian Rodriguéz para médio - até porque a extremo tem sido uma decepção -,mas então, adeus 4x3x3;— e, enfim chegamos à razão mais evidente para os assobios, eu diria mesmo gritante: a inexplicável insistência de Jesualdo Ferreira em Mariano González. Contra o Fenerbahçe (que eu vi atentamente e de bloco notas na mão), a primeira vez que se deu pelo Mariano em jogo foi aos 41 minutos, quando rasteirou um adversário. Durante toda a primeira parte, ele não fez uma finta, um passe de qualidade, um cruzamento, uma desmarcação ou até uma intercepção: repetiu a dose contra o Rio Ave e, como Jesualdo poderá constatar revendo os vídeos, é um jogador que, depois de perder a bola (o que acontece quase sempre que a recebe) fica parado no mesmo sítio. Aos 51 minutos do jogo contra os turcos, o Mariano, após um ressalto feliz, ficou isolado perante o guarda-redes: a forma como rematou aquela bola, seria suficiente, se mais não houvesse no seu registo, para mostrar à exuberância que ele tem limitações técnicas que são inadmissíveis num jogador de uma equipa supostamente de topo. Não há um adepto portista que não prefira ver o Candeias, ou o Tarik, mesmo em Ramadão, ou o Hulk, no lugar do Mariano.
Só Jesualdo Ferreira persiste e persiste na sua teimosia, revelando um grau de proteccionismo a este jogador que, para mim, não encontra justificação… nem perdão.É claro que quem percebe de futebol é Jesualdo, não sou eu. Mas tenho sobre ele uma vantagem, enquanto observador: há vinte anos que eu vejo todos, todos, os jogos do FC Porto.
Olhando para um jogo como o de anteontem, em Vila do Conde, há uma coisa que eu já sei e que Jesualdo já podia saber, com a experiência que leva da equipa: estes são os jogos que mais facilmente se tornam difíceis para uma equipa como o FC Porto.
Os jogadores vão mudando, os treinadores e os métodos também, mas há coisas que permanecem imutáveis: num campo pequeno, com equipas fechadas na defesa e um guarda-redes que vai de certeza fazer a exibição da época, uma equipa de ataque e de espaços, como o FC Porto é desde há muito, vai sofrer com a falta de terreno, de ar… e de tempo. Só há uma solução para evitar problemas e o desespero no final: é carregar desde o primeiro minuto, até chegar ao golo e obrigar, então, o adversário a abrir espaços, porque tem de tentar o empate. Ora, não sendo bruxo, aos 3 minutos do jogo de Vila do Conde, eu estava a mandar uma mensagem a um amigo portista: «Desconfio que isto vai correr mal!».
E porquê? Porque bastou ver a atitude displicente, pouco empenhada, de quem acha que tem todo o tempo do mundo, com que alguns jogadores entraram em campo, para perceber que aquilo se poderia complicar, com duas bolas na trave, um penalty por marcar, etc.
Quando, dois pontos perdidos sem razão nem brio, Jesualdo Ferreira veio queixar-se da hora inteira de sonolência a que a equipa se tinha entregue, cabe perguntar se a responsabilidade não será, primeiro que tudo, dele próprio. Quem falhou a passar a mensagem de que aquilo era para tentar resolver a partir do minuto 1 e não do minuto 61? Quem demorou uma hora inteira a ver o Mariano entregar jogo aos adversários até finalmente reagir? Quem demorou uma hora inteira a perceber que precisava de flanquear o jogo e, para isso, precisava de flanqueadores como o Candeias?Uma das coisas de que tenho saudades do génio trapalhão do António Oliveira é disto: com ele, bastavam os primeiros 15 ou 20 minutos em que as coisas não funcionavam, para ele começar a mexer na equipa.
Porque, como cantava o Vandrei, «quem sabe, faz a hora; não espera acontecer».
É verdade, verdadíssima, que a procissão ainda vai no adro e que nada é irreversível. Daqui a uns tempos, acredito que o FC Porto poderá estar de volta ao caminho certo. Mas, para isso, é preciso mudar o que está mal e pode ser mudado, e não ficar à espera que as coisas mudem por si mesmas.

n'A BOLA de 23Setembro2008fonte: "All Dragons fórum

O Carmo e a Trindade

Este fim-de-semana fiquei esclarecido. Se dúvidas ainda tivesse.
E a “corja jornaleira” que por aí anda também não fez questão de sequer tentar tapar o sol com uma peneira.

Mas confesso que ainda tive (que iludido sou) uma pequena esperança.
Mas não. Tudo vai bem neste País das Maravilhas.
Tudo na santa paz do Senhor.

Uma grande penalidade não assinalada a favor do Porto?
Situação normal de um jogo de futebol.
E como não jogamos bem não temos sequer o direito de falar disso.

Favorecimento clamoroso e reincidente dos clubes da 2ª circular?
Acontece. Até porque o árbitro é humano e é humano errar. O que interessa e deve ser valorizado é o futebol. Do resto não convém falar.

Assim, com a impunidade vermelha de ontem e a tão particular interpretação da lei do fora de jogo de sábado, aliados ao “ensaio sobre a cegueira” do jogo de Vila do Conde, cheguei à conclusão que para sermos campeões este ano não basta sermos melhores do que os outros.
Temos de ser MUITO melhores!!!
E mesmo assim não sei.

Mas… e se fosse tudo ao contrário?
Ui… caía o Carmo e a Trindade.
Não sobrava pedra sobre pedra.

Até parece que estou a ver o Cão Raivoso (ou Freteiro Delgado se preferirem, pois não importa a forma mas sim o conteúdo) e o Rui Carraspana, perdão, Cartaxana a espumarem de fúria.
Eles e a restante subespécie de invertebrados que os acompanha.
.
E todos a vociferarem em uníssono:
Escândalo nacional! Corrupção na arbitragem! Estão a empurrarem-nos para baixo! É o apito, é o apito! Avisem já a Morgadinha dos Canaviais! E o Platini! Chamem a CIA, o MI5, a Mossad, a… GNR! Deus também se for preciso!

Assim não. Assim está tudo bem.
Diria até… porreiro, pá.

Mas não está. E vamos ter que ser nós (portistas) a berrar a plenos pulmões. E a não deixar cair no silêncio a vergonha que estão a preparar para esta liga. Acreditem numa coisa, se não formos nós mais ninguém o fará.
.
Um abraço a todos e um forte POOOOORTOOOOO!!!

P.S.: Em tempos o Eterno Dragão alertou-me para o facto de que colocar a fotografia de certas pessoas com um rosto... digamos... pouco apelativo (para ser simpático), poderia causar prejuízos estéticos gravíssimos ao nosso Blogue.
Foi, portanto, uma decisão de carácter editorial colocar uma fotografia da Catherine Zeta-Jones em vez do Cão Raivoso (ou Freteiro Delgado se preferirem, pois não importa a forma mas sim o conteúdo) e uma da Charlize Theron em vez do Rui Carraspana, perdão, Cartaxana.
E estou convencido que não existirão reclamações de ninguém.
Aliás, penso até que o Situacionista vai passar a ver o Cão Raivoso (ou Freteiro Delgado se preferirem, pois não importa a forma mas sim o conteúdo) com outros olhos. ;)

terça-feira, 23 de setembro de 2008

ESTÁ O PROF. JESUALDO EM PERIGO?


Segundo pior arranque em dez anos

Desde a época de todas as desilusões, que se seguiu à conquista da Liga dos Campeões, que o FC Porto não entrava tão mal num campeonato.

Os pontos desperdiçados nas duas deslocações já realizadas - Benfica e Rio Ave - deixam a equipa a quatro pontos do líder, o Sporting, uma situação que também não encontra paralelo desde 2004/05, altura em que os dragões, orientados por Vítor Fernandez, chegaram a estar a seis pontos do Benfica, que era primeiro.

Esse foi, aliás, o único campeonato perdido nos últimos seis anos.

Este mau arranque contrasta com os dois últimos, também da responsabilidade de Jesualdo Ferreira.

Nesses, o FC Porto fez o pleno nas vitórias - tal como havia feito Co Adriaanse em 2005/06 - e, na época passada, esticou-as mesmo até à nona jornada, onde interrompeu a série de triunfos com um empate caseiro diante do Belenenses, deixando desde logo os adversários directos a vários pontos de distância. Em todo o caso, o actual cenário, que está muito longe de ser o ideal, poderá começar a inverter-se a partir da próxima jornada.

Voltando aos arranques de campeonato, em 1999/2000, com Fernando Santos no banco, o FC Porto também só tinha cinco pontos conquistados ao fim de três jogos, com uma ligeira diferença: a equipa estava a apenas dois pontos dos rivais de Lisboa, o que atenuava esse mau início da temporada que se seguiu à conquista do pentacampeonato.

O facto de o FC Porto ter feito dois dos três jogos longe do Dragão, um dos quais no Estádio da Luz, pode servir de atenuante para este mau arranque , ainda que, como Jesualdo Ferreira e Fernando referiram no final da partida em Vila do Conde, uma equipa que pretende ser campeã deve vencer em qualquer campo.

domingo, 21 de setembro de 2008

45 minutos de avanço = 4 pontos de atraso


3ª jornada da Liga 2008/09
Estádio do Rio Ave (Vila do Conde)

Árbitro: Pedro Proença (AF Lisboa)

RIO AVE: Paiva; Miguel Lopes, Gaspar, Bruno Mendes e Sílvio; André Vilas Boas, Niquinha «cap.» (André Carvalhas aos 92m), Livramento (Tarantini aos 65m) e Delson; Chidi (Semedo aos70m) e Evandro;
Treinador: João Eusébio;

FC PORTO: Helton; Sapunaru, Rolando, Bruno Alves e Fucile (Lino aos 60m); Fernando, Lucho «cap.» e Raul Meireles (Candeias aos 78m); Mariano (Hulk aos 60m), Lisandro e C. Rodríguez;
Treinador: Jesualdo Ferreira;

Resultado final: 0-0;
.
Pois… nem sei que diga.
Ou melhor, até sei.
Digo que não gostei. Não gostei mesmo nada.
.
Há que ajudar a equipa a crescer, dir-me-ão alguns. Certo.
Mas se há coisa que não admito é falta de atitude. Atitude de DRAGÃO!!!
.
E hoje demos 45 minutos de avanço, abordando o jogo e o adversário (humilde, lutador e esforçado) com uma atitude absolutamente passiva. E quando assim é…

Tudo isto nas barbas do nosso "destreinador", o qual, com absoluta serenidade, não viu quaisquer motivos para proceder a alterações fora do seu "ritmo" do costume.
Enfim... a idade torna-nos criaturas de hábitos.
.
Na segunda parte, as substituições feitas trouxeram maior dinamismo à equipa. Dinamismo, mas não eficácia. Mas foi sobretudo a atitude que mudou.
Tarde “piaste”…
Mesmo assim criamos várias oportunidades para ganhar.
Mas o que é certo, meus amigos, é que uma equipa que só joga para ganhar na 2ª parte não merece queixar-se de falta de sorte.

Por outro lado, mais uma vez fomos prejudicados pela arbitragem, o que, aliado ao comentário anterior do meu bom amigo “situacionista”, nos indica claramente que esta vai ser uma das mais difíceis ligas para as nossas cores.

À laia de provocação e mesmo sabendo que haverão vozes indignadas ao lerem isto, tenho que admitir que senti falta do nosso “ciganito”.
Muita falta mesmo.
.
É certo que mantenho a opinião que o seu “tempo” já se tinha esgotado no Dragão, mas enquanto assistia a tanta falta de ideias e de eficácia, confesso que desejei muito vê-lo em campo.
.
Quanto mais não fosse para que pudesse “tirar um coelho da cartola”, conforme nos habituou em muitos jogos com equipas fechadas na defesa. E que belos "coelhos" eram...

As palavras dos nossos intervenientes:
Jesualdo Ferreira
"O Rio Ave jogou bem, defendeu de forma correcta, retirou-nos espaços. Temos de entender que não se pode jogar só na segunda parte. Ressentimo-nos um pouco do jogo europeu a meio da semana, entrámos sem dinâmica. O nosso jogo tem de ser intenso do primeiro ao último minuto, sobretudo em partidas como esta que decidem campeonatos. Não podemos fazer um jogo tão passivo como o da primeira parte. Depois do intervalo a partida só teve um sentido, criámos diversas oportunidades. Houve também um lance de grande penalidade a nosso favor que não foi assinalado. Nesta altura as grandes penalidades têm que ser assinaladas. Estamos numa fase importante de um campeonato que é uma prova de longa duração e não podemos perder pontos por erros dos outros. Estas situações definem pontos e resultados, hoje não aconteceu a nosso favor".

Um abraço a todos e um forte POOOOORTOOOOO!!!

Alerta

Depois de Braga, agora contra o Belenenses.
Já perceberam porque é que eu tenho vindo a insistir que os verdes,
por mil e uma razões, são o principal candidato ao título ?
.
P.s. - Estou a preparar-me, juntamente com mais alguns Bicampeões do Mundo, para partir para Vila do Conde. Espero bem que o FC Porto não facilite. E vença !

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

ASSOBIOS NO DRAGÃO? NÃO OBRIGADO!

A propósito da notícia infra, uma questão muito interessante a levantada por Nuno Espírito Santo: os assobios pelos sócios e simpatizantes do FCP !!


Eu por mim, sou claro, como as vitórias do FCP, ou seja: nunca assobio a minha equipa, os meus jogadores e o treinador, mesmo quando me desagradam o que posssa fazer!!


As críticas, sempre construtivas, faço-as sempre em privado, juntos dos meus co-dragões, nomeadamente neste espaço e não em mais lugar algum.

Tenho dito!!!


Nuno critica assobios no Dragão: «É como jogar na casa do pior adversário»

A vitória sobre o Fenerbahçe mostrou uma nova face no Dragão: a face dos assobios.


Colocado perante a memória desta situação vivida na quarta-feira, o guarda-redes Nuno não foi de modas. «É tremendamente mais difícil jogar no Dragão com os assobios dos nossos adeptos», referiu logo sem hesitar.


Até porque assim, garante, não dá. «É como jogar na casa do nosso pior adversário.


"Lamentavelmente os assobios têm acontecido, mas temos que inverter isso. Jogar em casa com assobios dos nossos adeptos faz com que nós não nos fortaleçamos depois. Quando jogamos fora, os assobios dos rivais tornam-nos mais fortes, normalmente acontecem porque ganhamos mais vezes. Jogando em casa, temos que inverter isso».

Presidente, manifesto o meu total repúdio quanto a esta decisão:

Filomena Pinto da Costa vai ser convidada para directora do Conselho Cultural da SAD portista. Será responsável pela promoção extradesportiva da marca.” (confiram aqui)

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Bom começo


UEFA Champions League 2008/09 – Grupo G – 1ª Jornada
Assistência: 38.709 espectadores

Árbitro: Bertrand Layec (França)

F.C. PORTO: Helton; Sapunaru, Bruno Alves, Rolando e Benítez; Fernando, Raul Meireles e Lucho «cap.»; Mariano, Lisandro e Rodríguez
Substituições: Mariano por Hulk (60 min), Raul Meireles por Tomás Costa (66 min) e Rodríguez por Lino (90 min)
Não utilizados: Nuno, Pedro Emanuel, Farías e Candeias
Treinador: Jesualdo Ferreira

FENERBAHÇE: Demirel; Gonul, Lugano, Çakmak e Roberto Carlos; Emre, Maldonado, Sahin e Boral; Alex «cap.» e Guiza
Substituições: Sahin por Josico (45 min), Josico por Yilmaz (53 min) e Boral por Kazim Kazim (76 min)
Não utilizados: Babacan, Bilgin, Turaci e Parlak
Treinador: Luís Aragonés

Ao intervalo: 2-1
Marcadores: Lisandro (11 min), Lucho (13 min), Guiza (29 min) e Lino (90 min)
Disciplina: Cartão amarelo para Sapunaru (54 min), Lugano (71 min) e Guiza (74 min)

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Nunca mais são 19.45h...

Em que sistema jogavam logo ? 4x3x3 ? 4x4x2 ?


E com que equipa ?
.


P.s. - Não lembra ao careca um interregno tão grande no campeonato. Até para a champions é muito prejudicial (falta de ritmo). Enfim...
.
P.s. 2 - Um dos aspectos mais positivos da champions é que só entram as melhores equipas da europa.

Efeito da decisão do TAS nos vermelhos, no Guimarães, e na corja jornaleira e antiportista primária:

.
.
E assim terminou, definitivamente, esta questão.
A não ser que a Uefa queira também excluir da champions, entre outros, um certo e determinado clube italiano onde jogou um certo e determinado jogador ... é que ou há IGUALDADE ou comem todos...
O que, como é evidente, só é imaginável nas cabeças dos Cães Raivosos, Danieis, Cartaxanas, e nas páginas dos Recordes, Bolas, Correios da Manhãs e afins.
Para mim, CASO ENCERRADO !

terça-feira, 16 de setembro de 2008

Tanto Porto na Champions

Aproveitando o jogo Fantasy Football da UEFA, com facilidade se demonstra a grandeza do FC Porto, e dos seus jogadores, por essa Europa fora.

Vejam esta equipa, na qual ainda faltam Pepe (suspenso nesta jornada), Bosingwa, P.Ferreira, Tonel...

NGP TAMBÉM continua a ganhar dentro e FORA de campo II




No acórdão da sentença que determinou a participação do FC Porto na edição da Liga dos Campeões que hoje se inicia, o Tribunal Arbitral do Desporto destroça a UEFA e põe em cheque tanto a Comissão Disciplinar da Liga como o Conselho de Justiça da FPF.


O documento, que demorou todo este tempo a redigir - a decisão foi anunciada a 15 de Julho - chegou ontem aos clubes envolvidos, mas só trouxe motivos para ser bem recebido pelos dragões. No mínimo, a norma que o excluía da Champions vai a enterrar.


O painel de juízes do TAS nem chega a aprofundar a violação do princípio da retroactividade, ou seja, a decisão de excluir o FC Porto da Liga dos Campeões por actos ilícitos cometidos antes da existência dessa regra - uma das principais armas de defesa dos dragões.


Para o Tribunal Arbitral, o regulamento viola vários outros princípios, a começar pelo da proporcionalidade. L


Levada à letra, diz o TAS, a alínea d) do ponto 1.04 exclui perpetuamente os clubes que cometam actos ilícitos. Em lado nenhum, ressalvam os juízes, está determinado que a exclusão seja de um ano (ou dois, ou três) como pretendia o instrutor da UEFA no processo inicial. Outra falha encontrada é a do desrespeito pelo princípio da igualdade de tratamento: os clubes só sofreriam a sanção coincidindo o ano da condenação com o ano do apuramento para a Champions. Sem apuramento, não há castigo.


Mas o TAS rapidamente põe de parte a norma, já feita em pedaços, por entender que nem é necessário discuti-la: o FC Porto não preenche os requisitos para ser castigado por ela.

O painel afirma que os critérios não ficaram estabelecidos, mesmo que a UEFA pudesse decidir apenas com base na decisão dos órgãos portugueses.


"As duas decisões do Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol e da Comissão Disciplinar da Liga Portuguesa", concluem os três juízes, "não demonstram com a certeza necessária que o FC Porto ou o seu presidente estiveram envolvidos em actividades ilícitas".


E, na opinião do TAS, mesmo que provassem, a UEFA tem meios para julgar a culpabilidade do FC Porto autonomamente e não pode estar vinculada às sentenças da Comissão Disciplinar ou do Conselho de Justiça.


O outro tema forte do Apito Final - se a condenação do FC Porto transitara ou não em julgado - foi considerado pouco importante pelo Tribunal, que no acórdão diz "perceber" a decisão de não recorrer tomada pela SAD portista, dada a irrelevância dos seis pontos perdidos. Até porque "ficou provado que o recurso do presidente aproveitava ao clube".

Para o tricampeão português, este acórdão é o salvo-conduto que faltava, dado estar ainda no ar a possibilidade de uma futura exclusão da Champions.

Benfica e Guimarães pagam dez mil euros aos tricampeões


Para além das custas do processo, que o TAS já endereçara a Benfica, Guimarães e UEFA na sentença resumida de 15 de Julho, cada um deles terá de pagar ao FC Porto dez mil euros para ajudar às deslocações e emolumentos dos advogados.

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

O NGP continua a ganhar dentro e FORA de campo !!!


Estado condenado a indemnizar Pinto da Costa
Presidente do FC Porto vai receber 20 mil euros







O Tribunal da Relação do Porto condenou o Estado português a pagar uma indemnização de 20 mil euros a Pinto da Costa. Em causa está a detenção do presidente do FC Porto no tribunal de Gondomar em Dezembro de 2004.

Na altura, Pinto da Costa apresentou-se de forma voluntária e combinada com o Ministério Público para prestar declarações, mas acabou por receber ordem de detenção já no interior do tribunal. A defesa do líder portista alegou que Pinto da Costa foi alvo de uma detenção ilegal, mas viu o pedido de indemnização recusado pela primeira instância de Gondomar. Pinto da Costa recorreu entretanto e o Tribunal da Relação do Porto vem agora dar razão ao presidente do FC Porto e condenar ainda o Estado português ao pagamento de 20 mil euros de indemnização. O Ministério Público deve, no entanto, recorrer desta decisão para o Supremo Tribunal de Justiça.


E agora, derrotados?

Fantasy Football 2008/09

A UEFA já tem online o Fantasy Football para esta época da Liga dos Campeões.

Podem-se registar aqui:
http://pt.uclfantasy.uefa.com/

Regras:
http://pt.uclfantasy.uefa.com/M/help.mc

Para jogarem connosco, depois de criarem a equipa, acedam ao menu “Ligas”, e introduzam o código 38733-8153

O jogo começa já na próxima terça-feira. Por isso, registem-se já! :-)

domingo, 14 de setembro de 2008

LUXO - OBRIGADO !!!!



Hoje o GRANDÍSSIMO COMANDANTE dá uma entrevista ao jornal o Jogo.

Alguns destaques:

1) "Cheguei à conclusão de que o melhor era ficar"

O que foi preciso o FC Porto fazer para o convencer a ficar, depois de ter dito publicamente que gostaria de experimentar outro campeonato?

Nada. Desde o primeiro momento, defendi que o clube e as pessoas me trataram muito bem. Senti sempre muito carinho aqui. Disse que pensava ter chegado o momento de sair, mas, depois, conversei com os dirigentes da SAD e cheguei à conclusão que o melhor era continuar. E estou muito contente.

2) "Funcionamos sem Quaresma"

Quaresma era um jogador importante no FC Porto, mas nunca foi consensual. Notava-se em alguns jogadores um desconforto com a sua forma de jogar. Nesse sentido, a saída dele é positiva?

Tem pontos positivos e negativos. Ele era um jogador importante, que marcava a diferença. Mas, neste plantel, há jogadores com qualidade suficiente para anular a sua ausência. Há quem possa cumprir, tranquilamente, esse papel.

3) "Não rescindiria como fez o Paulo Assunção"


4) Não fomos tão elogiados como merecíamos"

Pelo que já viu, o FC Porto continua a ser o favorito?

Sim, não apenas pelo que se passou até agora, mas também porque somos os campeões, os tricampeões. Ganhámos o último campeonato com uma ampla vantagem e creio que não nos foi dado o reconhecimento que merecíamos. Penso que não fomos tão elogiados como devíamos.

E porquê, sabe?

Não sei. É uma questão de Imprensa. Parece que estão, muitas vezes, à espera de uma derrota ou de um empate para nos caírem em cima. Mas demonstrámos, uma vez mais, que somos fortes e unidos e que seguimos na frente.

5) Se temos perdido com o Sporting é porque fazemos alguma coisa mal"
Há alguma questão psicológica a limitar a equipa?

Não. Se analisarmos esses jogos que perdemos, tivemos sempre muitas situações de golo que não aproveitámos antes de sofrermos. Se tivéssemos marcado, tudo seria diferente. É mais fácil gerir as coisas quando elas estão a nosso favor e nunca tivemos essa hipótese com eles, porque saímos sempre a perder.

E nos jogos a eliminar, qual é o problema?

São partidas decisivas em que sabemos que não podemos cometer erros e que devem ser analisadas a frio. Vamos tentar não repetir isso esta temporada. Muitas vezes, sobretudo nos jogos da Champions, faltou-nos um pouco de sorte, mas não é tudo. Não existe qualquer trauma. Gostamos de actuar nesses jogos e queremos passar as próximas eliminatórias que nos surgirem.

6) "Distinção que me orgulha"

Foi eleito pelo barómetro de O JOGO como o melhor jogador do campeonato. Quer comentar?

É um orgulho. Dá-me forças para continuar a trabalhar e fazer as coisas bem para o clube. Este tipo de distinções é importante, até porque nem todos os que votaram serão adeptos do FC Porto.

Pode dizer que chegou um 8 e que agora é mais um 10?

Pode ser. O meu funcionamento na equipa foi mudando. Quando cheguei tínhamos outro treinador e outro sistema de jogo. Agora, tenho a liberdade para jogar mais no meio.

7) Grupo é difícil mas temos muitas hipóteses de seguir em frente"

Também é um dos nossos objectivos, mas, obviamente, o campeonato é o principal, até porque, para o ano, só há uma vaga directa na Champions. É importante assegurá-la. À margem disso, é evidente que essa é uma prova que todos sonhamos e o objectivo, para já, é superar o que fizemos na época passada, ultrapassando os oitavos-de-final.

Que análise faz ao sorteio e ao grupo?

Muito equilibrado e difícil. São três grandes equipas: já conhecemos o Arsenal; o Dínamo é forte em casa, onde vamos jogar com muito frio; e o Fenerbahçe cresceu muito nos últimos tempos e tem um grande treinador. Vai ser um grupo difícil, mas o FC Porto tem muitas hipóteses de seguir em frente.

8) Ele não gosta que lhe chamem "Comandante"

Afinal, o futebol é um desporto de equipa. Lucho não gosta que lhe chamem "El Comandante".

"Dá-me a sensação que sou só eu em campo", justifica. "Somos onze e não sou só eu quem comanda a equipa. Não gosto desse protagonismo. Não posso ganhar os jogos sozinho ."

sábado, 13 de setembro de 2008

Bota, perdão, Bi-Bota de Ouro

Em dia de entrega da Bota de Ouro a Cristiano Ronaldo, relativa à época 2007/08, relembremo-nos de um dos nossos Bota-de-Ouro.

O Bi-Bota!
O Gomes!
Que tantos e tantos golos fez pelo nosso FC Porto...

Fernando Mendes Soares Gomes, nasceu em 22 de Novembro de 1956, no Porto.

Foi António Feliciano quem o descobriu para o futebol num torneio de futebol de salão do Académico, levando-o para o FC Porto ainda muito novo. Com apenas 17 anos, estreou-se oficialmente na equipa principal. Foi no dia 8 de Setembro de 1974 e marcou os dois únicos golos da equipa na suada vitória por 2-1 frente à CUF. Ganhava 12 contos por mês (enquanto Cubillas, o artista da altura levava 125 notas de mil para casa).
Instalou-se com alguma facilidade no onze titular e foi um dos grandes responsáveis pelo bi-campeonato de 77/78 e 78/79, que quebrou um jejum de quase vinte anos sem conquistas na prova.

Com o término da época 79/80, veio o tão conhecido Verão quente. Gomes, juntamente com muitos outros colegas, saiu em defesa de Pedroto, despedido pelo presidente Américo de Sá, que não apreciava o estilo de guerrilha de Pedroto e Pinto da Costa em relação ao poder de Lisboa. Seria transferido para o Gijon no dia 13 Agosto de 1980. O F. C. Porto acertou a transferência, a troco da exorbitante quantia de 60 milhões de pesetas! Dessa quantia, ao avançado caberiam 20 milhões de pesetas, um terço do valor total. No primeiro jogo pelo clube Espanhol, marcou cinco golos ao Oviedo.

No início da época 82/83… Gomes já estava de regresso ao F.C.Porto, à sua plena forma e com uma fome de golos impressionante.
Nesse ano seria o melhor marcador da Europa com 36 golos, repetindo a graça em 84/85 com 39.
Em 83/84, foram os seus golos que levaram a equipa à final de Basileia, ingloriamente perdida para a Juventus e em 86/87 foi um dos protagonistas da fantástica caminhada até Viena que, injustamente, haveria de falhar por lesão. Mas esteve em Tóquio, na final mais radical que o mundo do futebol já viu, contribuindo com um golo para que o F.C.Porto alcançasse tão importante troféu.

A partir de Novembro de 1987 as coisas começaram a não correr bem.
Tomislav Ivic, assumiu numa entrevista que “Gomes é finito!” e lançou no clube uma confusão danada.
No jogo sa segunda-mão da Supertaça Europeia frente ao Ajax de Cruyff, Ivic trocou Gomes por Jorge Plácido antes do final do jogo e ouviu a maior assobiadela da sua carreira. Porquê? Porque o jugoslavo impediu Gomes de erguer um troféu internacional em pleno Estádio das Antas… grande parte dos portistas nunca lhe perdoou.
O que mantinha Gomes no F.C.Porto era o carinho que a massa associativa tinha pelo avançado, facto que o avançado sabia usar como ninguém.

Mas em Junho Ivic sai do FC Porto. Entra Quinito, que afirmava: “Comigo… é Gomes e mais dez”.
Só que Quinito não se aguentou muito tempo à frente da equipa técnica e voltaram Artur Jorge e Octávio.
As coisas andavam outra vez bastante tensas, quando o F.C.Porto teve uma deslocação à Madeira para enfrentar o Marítimo. O avião atrasou-se e a comitiva chegou ao hotel apenas às 23 horas, ainda sem jantar. Quando por volta da meia-noite o jantar começou a ser servido inicialmente pelas mesas VIPs (Dirigentes e técnicos), como era normal, Fernando Gomes levantou-se e insurgiu-se com o facto essencialmente devido ao adiantar da hora. Octávio Machado interveio e disse que ele, Fernando Gomes, “não mandava ali”. Gomes respondeu que “era o capitão”… mas acabou por insultar o Palmelão chamando-lhe: “Palhaço e bufo dos tempos do sr. Pedroto”.
O Bi-bota acabou com um processo disciplinar e suspensão de todas as actividades.

É preciso notar que Gomes teve uma dimensão nacional e internacional enorme. Devido ao apoio contagiante que tinha nos adeptos, o seu peso dentro do clube era considerado exagerado pela administração e obviamente que os problemas tinham que surgir.

Em Junho do ano de 1989, Gomes provocava uma dor de alma na maior parte dos portistas ao assinar pelo Sporting, acabando a carreira dois anos depois.

Fernando Gomes era um avançado fantástico, excelente no jogo de cabeça, um posicionamento perfeito, movimentava-se muito bem na área, fazia jogo com os companheiros mais atrasados, abria espaços para entrada de colegas e tinha um instinto pelo golo que era qualquer coisa de fenomenal.

Foi um dos mais carismáticos Capitães que este clube já viu e com certeza o avançado mais completo que envergou aquela camisola.
Marcou 317 golos no Campeonato (um record nacional, apesar de... Eusébio), sendo o jogador com mais golos marcados ao serviço do FC Porto: 288.


Palmarés:
2 "Botas de Ouro" 82/83 e 84/85
6 "Bolas de Prata"
317 golos no Campeonato
288 golos marcados ao serviço do FC Porto
1 Taça dos Campeões Europeus 86/87
1 Taça Intercontinental 1987
1 Supertaça Europeia 1987
5 Títulos de campeão nacional 77/78, 78/79, 84/85, 85/86, 87/88
3 Taças de Portugal 76/77, 83/84 e 87/88
3 Supertaças Cândido de Oliveira,
46 internacionalizações (13 golos)

(fontes: FêCêPê: Orgulho e Glória; Primeiraliga.com)

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Para o CLUBE DO REGIME é mais barato…

No mínimo, a não dar descida de divisão, teria obrigatoriamente de dar jogo “às moscas”, ou seja, prejuízo de cerca de 1 milhão de euros.

Claro que como é para o clube do regime é mais
barato…. 3.500 euros
.
.
P.s. - Serão burros … ou fazem-se ?

Discussão normal de jogo
O defesa-central do Benfica Sidnei entrou durante a segunda parte do clássico com o FC Porto e já se encontrava em campo quando aconteceu o lance entre Cristian Rodriguez, extremo uruguaio dos dragões, e Nuno Gomes, ponta-de-lança dos encarnados, em que o clube da Luz reclama ter existido uma agressão ao seu jogador. «Foi apenas uma discussão normal de jogo», diria o futebolista brasileiro em resposta aos jornalistas, durante a conferência de imprensa ontem realizada na Caixa Futebol Campus, embora alguns minutos depois o Benfica tenha comunicado aos jornalistas que o jogador não teria interpretado bem a questão, pensando, isso sim, tratar-se duma pergunta em relação ao lance entre Luisão e Sapunaru, na mesma partida, em que os dragões entendem, também, ter existido agressão por parte do defesa internacional brasileiro encarnado.”
(jornal Abola, hoje)

A FORÇA DA IMAGEM - Mais de ... 6000 (!) visitas e de ... 80 comentários - Impressionante !

Parabéns Pôncio (*), perdão, Azzulli !
.
.

.
.
(*) – Um dos comentários (para mim, o melhor) no youtube “insulta” o Azzulli dizendo que o autor das legendas revela a imparcialidade do ... Pôncio Monteiro ...
.
P.s. - Espero que na próxima semana o Guilherme Aguiar e o Rui Moreira não vão para os seus programas de mãos a abanar...

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Estupidamente vermelho

Uma vez que o Fanático lançou o tema comunicação social/tv/programas desportivos, não podia deixar de me referir a este personagem. Que destila, sibilinamente, antiportismo semana após semana. Tão sibilinamente, ao ponto de existirem, inclusive, (crentes) portistas que o tomam por .... um dos nossos. Minha nossa, que heresia medonha !




Eu diria até que ele está, embora muito mais evoluído e diplomático, ao nível de um Cartaxana. Ambos pensam que são muito mais espertos que os outros. Como se enganassem alguém ! Só aquele sorrisinho...

terça-feira, 9 de setembro de 2008

FERNANDO SEARA-ESTOU FARTO !!!!!







Estou farto deste fulano!!!!








1) Estou farto da sua desonestidade intelectual:








a) deturpa a lei, segue por vias interpretações mais que extensivas;




b) mente, com todos os dentes (que não têm, é tudo postiço), desde que seja para protejer os ensanguentados;




c) é desonesto porque não tem qualquer pejo de defender o oposto ao que já defendeu anteriormente para situações iguais envolvendo o FCP e os verdinhos;




2) Estou farto da sua postura corporal, das suas mãozinhas sapudas e irritantes sempre a mexer de um lado para outro, como quem mata as moscas que deve estar habituada a ver nos corredores da cestinha do pão.




3) Estou farto das suas constantes interrupções quando os outros comentadores estão intervir, numa postura de má educação, de falta de respeito e civismo;





4) Estou farto da sua maneira, esganiçada, como fala, debitando teses, pseudo-jurídicas, postulando a sua verdade como a única e absoluta;




5) Em suma, estou farto de ver e ouvir e apenas digo está cada vez mais parecido com o MO, só lhe faltam os pontapés da gramática, porque as orelhas dumbo e a conversa da treta já a tem!!!


Construções, tácticas, sistemas, jogadores, contratações e ambições. A visão do prof., em entrevista ao Público de hoje:

"FC Porto não está mais fraco, está é diferente e em construção"

No primeiro balanço ao título ganho na época passada, Jesualdo Ferreira fala do FC Porto para 2008-09. E da saída de Quaresma.

Na sua primeira entrevista em mais de um ano, Jesualdo Ferreira explica como levou o FC Porto ao título. E o que vai mudar esta época.

Escreveu-se que Quaresma queria sair, mas que o FC Porto também desejava vendê-lo. Ficou aliviado com a partida do jogador para Milão?
O tema Quaresma resume-se a uma questão de mercado. Toda a gente sabe qual foi o seu passado antes de chegar ao FC Porto. Foram a equipa e o clube que conseguiram retirá--lo da situação pouco satisfatória que se seguiu à passagem pelo Barcelona. O Quaresma teve quatro anos diferentes no FC Porto. No primeiro, as coisas não lhe correram bem, em resultado do que se tinha passado na época anterior. No segundo ano foi-se afirmando e, nos dois seguintes, conquistou o mercado. A aspiração do jogador em sair, manifestada publicamente, poderá ter feito alguns pensarem que era o próprio clube que queria que ele saísse. Mas a verdade é que o Quaresma não queria ficar. A partir daí, não estavam criadas as condições mínimas para ele ficar, sob o ponto de vista da disponibilidade e empenhamento...

Lucho chegou a dizer que queria sair e agora é a principal imagem de marca do clube...
Não há dois jogadores iguais. Quem conhece o Quaresma (e eu conheço-o um bocadinho) sabe que, quando ele falou publicamente, era aquilo que ele sentia e que jamais voltaria atrás. Muitas vezes, a forma como se dizem as coisas e como são manifestadas fazem com que um grupo de trabalho como o do FC Porto tenha um comportamento de acordo com o que é mais importante para a salvaguarda do bem-estar do todo da equipa. A partir do momento que se sentiu que o Quaresma queria sair, ficou evidente que se podiam criar as condições boas para que saísse e para que o FC Porto fosse convenientemente recompensado.

E essas condições boas verificaram-se?
Ouça, eu não me recordo de o FC Porto ter feito até hoje um mau negócio. O que eu sinto é que este negócio foi o que tinha de ser feito. Até porque o volume de dinheiro de que se fala vai seguramente ser aumentado.

Mas não chegou a ter problemas com Quaresma?
Nunca houve problemas entre o Jesualdo e o Quaresma. O que houve, durante dois anos, foi um trabalho conjunto entre um jogador e um grupo de jogadores e uma equipa técnica, em que as questões surgem sempre, naturalmente, mas em que, acima de tudo, se pôs sempre à frente de tudo o rendimento da equipa e os objectivos. E, agora, o que eu desejo fundamentalmente ao Quaresma é a melhor sorte do mundo.

Tacticamente, há um antes e um depois de Quaresma?
Nada disso. Durante os dois anos em que estive aqui no FC Porto, falou-se sempre que o FC Porto deveria jogar num determinado sistema e que não o faria por causa do Quaresma. Quero dizer às pessoas que quem define os sistemas de jogo do FC Porto é o seu treinador. Já antes de eu estar no FC Porto se jogava em 4x4x3. A questão aqui não tem a ver com o Quaresma, tem a ver com determinados conceitos que os treinadores têm.

Ficou satisfeito por o Pelé ter sido incluído no negócio?
Na minha opinião, ao integrar esse negócio, o Pelé revelou-se uma mais-valia para o FC Porto.

Com as saídas de Quaresma, Assunção e Bosingwa, o FC Porto não ficou mais fraco?
Desde que entrei no FC Porto, saíram cinco jogadores da equipa--base: Pepe, Anderson, Bosingwa, Paulo Assunção e Quaresma. O volume de negócios que esses jogadores proporcionaram foi significativo. O mercado do futebol tem vindo a valorizar o trabalho que o FC Porto faz. Mas, à medida que saíram, o FC Porto foi-se preparando para ter um novo rosto. Isso significa que falar em ser mais fraco ou menos forte é irrelevante. O que se pode dizer é que o FC Porto é diferente. Tal como aconteceu quando foi campeão europeu. Aliás, nos anos que se seguiram a 2004 saíram seis ou sete jogadores da equipa-base. Esta remodelação é normal no futebol actual.

O FC Porto não teve instinto matador frente ao Benfica...
Isso era conversa para umas horas... Na Luz, o FC Porto foi uma equipa que ninguém esperava, na formação, atitude e comportamento táctico. Foi uma equipa compacta, agressiva e que queria ganhar o jogo - e sabia como o podia ganhar. À medida que o jogo foi correndo, percebeu-se que o FC Porto tinha argumentos para ganhar. Chegou ao intervalo a ganhar, teve oportunidade de fazer o segundo golo e acabar com o jogo, acabou por sofrer um golo num lance pouco esperado e, logo de seguida, com a expulsão do Katsouranis, passámos a ter outro jogo.

Qual foi a diferença entre um jogo e o outro?
O primeiro, com cerca de 60 minutos, foi partido, dividido. A intensidade mostra-se na ocupação dos espaços, nos metros que se consegue ganhar ao adversário, nas disputas individuais, nos lances de perigo que se criam, na forma como se anula o adversário. A partir de certa altura, essa intensidade foi de tal maneira favorável ao FC Porto que acabaram os espaços e começou o tal segundo jogo. O resultado dessa superioridade manifestou-se depois nos 20 a 25 minutos finais, com as maiores dificuldades do Benfica. Como tinham acabado os espaços, baixou a intensidade, porque ninguém joga contra um muro para ser rápido. Como passou a haver um outro jogo, houve a necessidade de nos adaptarmos tacticamente. Isto é: jogar num espaço mais reduzido, com uma barreira de oito ou nove jogadores à frente da baliza, jogar com o adversário a quebrar o ritmo constantemente. Houve ainda necessidade de introduzir novos jogadores. Quem está de fora e percebe pouco analisa a situação sem levar tudo isto em conta.

Mas porque é que o FC Porto não conseguiu marcar?
Porque com menos espaço é mais difícil criar oportunidades. O jogo torna-se menos intenso, os erros cometem-se com mais frequência, porque a ansiedade não existia só do lado do Benfica. Os comportamentos tácticos foram naquela altura alterados. E ainda não há por parte dos nossos novos jogadores o conhecimento prático da vivência dessas situações. Isto já aconteceu a todas as equipas do mundo.

Porque arriscou lançar Rolando, Fernando, Tomás Costa e relançar Fucile na esquerda?
Porque do estudo que fizemos ao adversário e ao plantel do FC Porto resultou que aquela era a melhor equipa para defrontar o Benfica.

Só o Benfica?
Pelo menos com o Benfica.

O 4x4x2 foi para obter superioridade no meio-campo ou receio do novo Benfica?
Que fique claro: o FC Porto nunca vai abdicar da sua individualidade e estrutura. Mais: não forma as suas equipas nem joga nenhum encontro no sentido de anular o adversário para poder jogar. O FC Porto entende que, para anular o adversário, tem de jogar. Nesse contexto, a colocação de algumas unidades em campo obedeceu a uma preocupação: não perder a identidade, o sistema e a estrutura.

O Tomás Costa foi médio-direito com a intenção de não deixar subir o Leo?
Não. Ele fez na direita aquilo que o Rodriguez fez na esquerda. O ala só baixa se o lateral subir, não é? O Tomás era o único, com excepção do Candeias (muito novo e vindo de uma paragem), que poderia jogar mais próximo da linha. Se o Mariano estivesse disponível, jogaria o Mariano, podendo o Tomás até jogar noutra posição. Se o FC Porto tivesse jogado com o Mariano, essa questão já não se colocaria. São análises incorrectas.

Os reforços utilizados garantiram um lugar na equipa?
O FC Porto passa cada vez mais a ter um leque de jogadores capaz de jogar em qualquer momento. Há muitas provas, a densidade competitiva vai ser grande e entendo que, ao contrário da época passada, o FC Porto tem de construir uma equipa. Na época passada entrámos nas competições com uma equipa feita, rotinada, com entendimento claro entre os jogadores e entre estes e o treinador. Não havia muito mais a fazer do que melhorar os comportamentos tácticos. Este ano, o FC Porto está a construir uma equipa e isso não nos garante, por enquanto, a constância da época passada. É importante as pessoas perceberem esta realidade e que não há como fugir a ela. Vamos admitir que este é um FC Porto em construção e trabalhar para discutir aquele que é o nosso grande objectivo, que é voltarmos a ser campeões.



"O Tomás Costa pode vir a ser um jogador de top"

Queria um plantel mais forte fisicamente. Conseguiu-o?
Acho que sim. Este grupo é mais forte e mais agressivo.

Na época passada nenhum reforço se impôs. Este ano há sinais diferentes...
São diferentes porque, na época passada, a equipa estava formada.

Não terão estes mais qualidade?
Alguns têm mais qualidade e há outros iguais. A diferença está no facto de esta ser uma equipa em construção. A do ano passado não necessitou, para fazer o seu trajecto, de Marianos, Stepanoves e Bolattis, que só foram importantes a partir de certa altura, após o processo de integração.

Recomendou todos os reforços?
Claro que avalizei as contratações. O scouting do FC Porto fez o seu trabalho, houve um momento em que reunimos as informações e estabelecemos as necessidades. Foram jogadores que eu quis.

Pode falar-nos sobre cada um?
O Sapunaru é robusto, defende bem, no jogo aéreo e não só. Está a adaptar-se. É novo e a única coisa que não precisa é que o comparem ao Bosingwa.

O Rolando fez 23 anos e toda a gente o conhece do Belenenses. É um excelente jogador.

O Guarín tem 22 anos, é titular da Colômbia e tem alguma cultura europeia. Tem condições para vir a ser um grande jogador.

O Tomás Costa é aquilo a que chamo de superactivo. Só tem 23 anos, mas tem uma capacidade tremenda de participar no jogo colectivo. Tem de aprender as questões práticas do futebol europeu. Pode vir a ser um jogador de top no FC Porto.

Na posição 8 e não na 6...
Tem pouca disciplina táctica. Ele próprio não sabe bem quais vão ser as suas funções no futuro. Ele, o treinador e os jogos é que o irão dizer.

Com Rodríguez haverá mais agressividade e menos magia?
O Rodriguez veio para o Benfica do PSG, não veio directamente do Uruguai. Tem 22 anos, ainda tem uma margem de progressão grande. Está a adaptar-se para evidenciar as grandes capacidades que possui.

Como descobriram um brasileiro na II Divisão japonesa?
O Hulk tem grande capacidade física e pormenores técnicos importantes para a posição. Vai ser sujeito a um trabalho sereno para poder tirar mais rendimento das suas capacidades. Mas quem faz golos de fora da área no Japão (como ele já fez com o Belenenses), fá-lo em qualquer lugar do mundo.
.
O Fernando fez um ano na Europa, deu boas indicações e o processo para ele está facilitado. O Benítez é um lateral tipicamente argentino. Tem raça e é um jogador de equipa. Tem de trabalhar tacticamente.

Ele tem sido o que menos convenceu a crítica...
Duvidaram dele mal chegou...

Não era titular no Lanús...
Jogou o tempo suficiente para ser campeão da Argentina. Provavelmente o Lanús tinha dois jogadores para aquela posição. O FC Porto, quando contrata um jogador deste tipo, procura avaliar as suas potencialidades no futuro.

Já se percebeu que gosta de Candeias, formado no clube...
Tem muitas capacidades. Dei-lhe modelos de treino e de jogador. E que se resumem a isto: é superactivo, tem boa capacidade física, coragem e é agressivo a atacar. Mas tem de integrar as suas capacidades no jogo colectivo. De outra forma será sempre uma eterna esperança.

Vai jogar mais vezes em 4x4x2?
É mais ofensivo o 4x3x3, com três avançados, ou o 4x4x2, com dois?
Depende dos jogadores em causa e das dinâmicas.
Pois, e a questão foi sempre essa. Mas até parece que o 4x4x2 é muito mais ofensivo. O FC Porto tem o seu sistema base. E depois tem princípios, métodos e estratégias, que variam. O sistema não define o modelo. O modelo é um conjunto de sistemas, princípios, métodos e estratégias. O que se pretende atingir cada vez com maior eficácia é que é o modelo. Portanto, o sistema do Porto é o 4x3x3, a sua dinâmica nunca indicia o 4x3x3 permanente, os princípios que o Porto tem sob o ponto de vista do seu método, quer seja a zona ou o aproveitamento dos espaços, faz-se com transições rápidas, a definição das áreas de pressão, a capacidade de ritmar o jogo, que já foi mais forte na época passada. Tudo isto faz parte dos processos que o FC Porto utiliza para chegar ao modelo. O problema é que as pessoas confundem o modelo com as tácticas e com o sistema.

Mas vai jogar esta época mais vezes em 4x4x2...
O FC Porto, na época passada, já jogou tantas vezes em 4x4x2... Agora, para algumas pessoas, o
4x4x2 é uma equipa com quatro defesas, quatro médios e dois avançados. Cada vez que o treinador do FC Porto mexe uma unidade que pode ser uma indicação de que vai jogar em 4x4x2, o que se diz é que o treinador do FC Porto está a inventar. Muitas vezes, quem está a analisar estas questões não está a ser sério. Ou então não sabe.

sábado, 6 de setembro de 2008

VITALIS PARK- A deslumbrante força do dragão !!!!













Esta a entrada!!!!



Estes os exemplos que se desejam no futuro !!!







Este o NGP com quem todos as conquistas passam de sonhos a realidade !!!!

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

CRIMINOLOGIA DA SEMANA - Coacção do clube do regime. Consequências ? AHAHAHAHHAHA HAHAHAHAHAHAH




P.s. – Eu sei que o Orelhas, como tem medo de estar pela primeira vez sob escuta, foi pessoalmente ao balneário dos árbitros pedir-lhes desculpas. Também sei, como o próprio confessou, que as desculpas foram … INVOLUNTÁRIAS. Nem precisava de o ter dito. Eu já tinha percebido. Eu sei que as desculpas foram uma boa forma de lá ir explicar-lhes que … uma valente-cachaçada-e-um-violento-agarrão-do-pescoço e …. uma bela-garrafada-de-água-pela-cabeça-abaixo … são altamente nutritivas e energéticas para uma adequada …COACÇÃO (há quem lhe chame grunhice típica). Embora, diga-se novamente, porque é decisivo, de forma perfeitamente involuntária … é a chamada COACÇÃO SEM SER COACÇÃO, alías, a bem da tradicional subserviência a qual já tem raízes históricas e de todos conhecidas.

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Frustrado

Voltando ao jogo jogado … ou que nos deixaram jogar.
Ainda não percebi como é que não ganhamos o jogo.
Antes do jogo vim aqui sugerir o sistema táctico e a minha equipa:
Sistema - 4x3x3
Equipa:
Helton, Sapu, B. Alves, P. Emanuel e Fucile,
Fernando, Meireles e Luxo,
Rodrigues, Lisandro e Candeias.

Sugeri o sistema tendo em conta que, sendo o ideal, para a esmagadora maioria dos jogos de dificuldade mais elevada (designadamente com os grandes e na Champions e especialmente fora), jogarmos em 4x4x2, uma vez que este nunca tinha sido ensaiado, o prof. não deveria arriscar.

Sugeri aquela equipa (Fernando, Fucile e Candeias), porque temos de jogar com um trinco PURO e no plantel “só” (refiro-me à quantidade e não há - muita - qualidade) havia um – Fernando. Logo, este teria de entrar.

Depois, o Fucile deveria jogar, em detrimento do Benitez, por 3 ou 4 motivos:
- grau de dificuldade do jogo
- é bom jogador
- já está entrosado.
- o facto de ser destro só o iria beneficiar em face de ir enfrentar, mais do que previsivelmente, um canhoto (Reyes ou o “olímpico mergulhador ” Tia Maria). Ambos teriam tendência a jogar para dentro.

Por último, o Candeias, atendendo ao sistema 4x3x3 e face às ausências de Tarik e Mariano. Ainda por cima vai ser um craque. Como há muito não saía da formação.

O prof., surpreendentemente, surpreendeu…positivamente. Pela primeira vez, que me lembre. Sim, não tenho dúvidas, pela primeira vez.

De facto, a entrada do Rolando foi cirúrgica (nunca mais ninguém o tira de lá, nem mesmo o Grande Pedro Emanuel – este, a propósito, nas declarações após o jogo, mostrou que é um verdadeiro Dragão. Vai ter um futuro muito risonho quando, daqui a uns anos, abandonar a carreira).

Rolando parece Dragão desde pequenino. Pequenino, pequenino. Personalidade à prova de bala, alto, forte no jogo aéreo, rápido,… (o meu obrigado ao comissionista que o trouxe !).

Rolando, juntamente com Fernando (que agora terá a concorrência do Pele – será uma luta muito interessante e, como há muitas competições, ambos deverão ir jogando) vieram colmatar o desequilíbrio no miolo do terreno e ao nível da velocidade (o Zé era um F1 e o Assunção um pêndulo).

Não contente, o prof. resolveu arriscar também uma alteração do sistema táctico. De 4x3x3 para 4x2x2. Que RISCO ! Se corria mal….

Mas correu tudo tão bem.
Ou melhor, bem. Quiçá, mais ou menos. Mais ou menos, uma figa ! Porra, empatamos. Como é possível ??? Que me*** de resultado. Confesso-vos que acabei o jogo furibundo. Aquilo não estava a acontecer. Parecia que tínhamos perdido. Melhor, que tínhamos sido goleados… eu sei que foi contra os vermelhos, na cestinha, que empatamos, mas ... para nós, nas condições em que foi, já não é suficiente !

Eu dá-me ideia, embora isto seja pura especulação, mas dá-me a ideia que o prof., sabedor dos riscos que tinha corrido, quando se viu a jogar muito bem, empatado e com mais um jogador durante 30 minutos ficou …. DESLUMBRADO.

E tal estado de espírito passou-se para os jogadores. Que simplesmente deixaram de jogar. Ou, se quiserem, a fazerem precisamente o contrário daquilo que mandam os livros. Então quando estamos em superioridade numérica não é quando temos, obrigatoriamente, de… acelerar o jogo, não correr com a bola e trocá-la ?

Fizemos tudo menos isso. E, assim, não ganhamos.

Luxo, incansável como sempre, mais livre para construir e atacar e ainda mais motivado por ter passado a ser, de forma mais do que justa e em mais um acto brilhante do NGP, o jogador mais bem pago do FC Porto, fez um jogo FABULOSO !

Rodrigues, mostrou simplesmente que é um ….CAMPEÃO ! Está no clube certo.

E depois há um jogador que me parece que foi um pouco esquecido e de quem eu gostei muito – Tomas Costa. Nem sequer percebi muito bem a substituição. Tê-lá-ia percebido muito melhor, por ex., depois da expulsão. Mas enfim, como dizia Mestre Pedroto, também está bem…

Adorei a ATITUDE da equipa. Um colectivo IMPRESSIONANTE. Puro ESPÍRITO DE DRAGÃO.

Finalizo com uma MARAVILHOSA imagem de TRI…(PLOS)-CAMPEÕES:

.