quinta-feira, 3 de abril de 2008

Ele há coincidências ... de cristal !

Jaime Pacheco foi hoje castigado com 12 dias por causa de declarações feitas em ....Novembro de 2007. Não pode assim ir para o banco no jogo do próximo fim de semana. Sabem com quem joga o Boavista ?...
Já agora, o jogo vai ser arbitrado pelo Lucílio Calabote Baptista. Será que vai haver mais … cristal ?

6 comentários:

O Situacionista disse...

Segundo o semanário Sol (deixo aqui esta notícia a título de mera curiosidade porque eu acredito que vamos provar a nossa inocência):


“Apito Dourado
José Manuel Meirim diz que FC Porto só pode perder três pontos
O especialista em Direito Desportivo José Manuel Meirim defendeu hoje que o FC Porto incorre na perda de apenas três pontos e não seis, se for confirmada a culpa de corrupção no futebol

O professor universitário sustentou a penalização com a subtracção de três pontos com base na alínea b) do ponto 1 artigo 49º do regulamento disciplinar da Liga Portuguesa de Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP).

Estando em causa a tentativa de corrupção em jogos espaçados no tempo (FC Porto-Estrela da Amadora, 24 de Janeiro 2004 e Beira-Mar-FC Porto, 18 de Abril de 2004), o jurista alerta para um «cúmulo jurídico» previsto no regulamento da CD.

Meirim refere que o regulamento disciplinar da LPFP especifica a situação de acumulação de infracções e a graduação especial das penas para este tipo de situações, em que a pena a aplicar «não pode ser superior à infracção mais grave».

«No caso de acumulação de faltas, a pena aplicável terá como limite superior a soma das penas aplicadas às várias infracções, sem que se possa exceder o limite máximo da pena correspondente à infracção mais grave» , diz a alínea b) do ponto 1 do artigo 49 do regulamento disciplinar.
De acordo com José Manuel Meirim, esta situação coloca-se porque a legislação, provavelmente, não previa aplicação que não fosse para penas de graduação, com tipologia de suspensão de «dois a quatro jogos», de «um a oito meses».

«Não estava pensado para isto, em que a pena é fixa, não é graduada, não se diz que é subtracção de um a cinco pontos» , acrescentou Meirim, frisando que «cabe a quem fez o regulamento suportar os danos de um erro».

O FC Porto tem cinco dias úteis para recorrer para o Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol, prazo que termina segunda-feira. Se não fizer, a Liga poderá aplicar a pena na época em curso.

No âmbito deste processo, o presidente do FC Porto, Pinto da Costa, também recebeu uma nota de culpa, acusado de tentativa de corrupção nos mesmos jogos, e incorre numa pena de suspensão de seis meses a dois anos.”

( http://sol.sapo.pt/PaginaInicial/Sociedade/Interior.aspx?content_id=87459 )

dragao vila pouca disse...

Ó Situacionista não é cristal é " acrílico", mas há outra coisa que já devia estar resolvida e nunca mais está; refiro-me ao processo disciplinar instaurado ao Benfica pelos incidentes em Guimarães, onde entre outras coisas, o jogo esteve interrompido, por causa do foguetório que a claque vermelha mandou para o relvado, vários minutos.Será que vão pagar só uma multa?
Um abraço

Armindo disse...

E que tal nos organizarmos, e irmos festejar o TRI no Domingo para a Boavista?

Azzulli disse...

Pelo que leio por aí, independentemente de recorrermos ou não, vamos mesmo ser sancionados esta época. É assim?

Se for assim, pelo menos que a pena (6 pontos) seja aplicada entre o próximo jogo e o dos vermelhos, para festejarmos duas vezes a vitória no campeonato...

Penta disse...

Meu caro Azzulli,

Parece que sim. O recurso não terá efeitos suspensivos, pelo que se a pena for aplicada enquanto não for homologada a classificação do presente campeonato a sanção terá efeitos este ano.

E como poderás ler no 1º comentário não serão 6 pontos, mas sim 3 pontos.

Por outro lado, e como já disse anteriormente, até me apetecia que a concretizar-se uma condenação a mesma tivesse efeitos para a próxima época, isto porque "numa situação normal, apenas tornará a nossa próxima conquista mais gloriosa e mais humilhante para os outros".

Um abraço.

Fanático disse...

A nossa superioridade é tal que, quer seja nesta época ou na próxima ou nas que se seguirem, é nos igual, independentemente da premência e da justiça e justeza do recurso que não devemos deixar de deduzir.

O mais importante: é ganhar amanhã e festejar o que me merece ser festejado e não permitir que circunstâncias extra-jogo nos estraguem o brilho da nossa conquista.

Quanto às coincidências apontadas, só são coincidências, vendo-se bem a famosa igualdade de critérios tão apregoada pelos arautos da suposta justiça...

Quanto às peças de decoração que pululam nas vitrines dos ensaguentados sabem que vos digo? São as únicas que lá têm, porque as dos títulos ficam connosco!!!